terça-feira, 29 de junho de 2010

é preciso continuar, não posso continuar, vou continuar

Tudo muda. Vim pra Paris inscrita no doutorado em literatura francesa na Universidade Paris 8 pra estudar Samuel Beckett e psicanálise. Insatisfeita, resolvi pedir uma transferência pro doutorado em Psicanálise na própria Paris 8, mas tive o pedido recusado. Fazer doutorado em Psicanálise na Paris 8 exigia um mestrado também em Psicanálise, e o que eu tinha era um mestrado em Psicologia... Eles disseram, após entrevista, que me aceitariam no segundo ano de mestrado e só depois eu poderia tentar uma vaga no doutorado. Com isso, teria um ano a mais do previsto na França.
Concomitantemente, pedi transferência de faculdade: entrei com um pedido de inscrição de doutorado em Psicanálise na Paris 7 e o pedido demorou uma vida pra ser analisado! Nesse tempo de espera, resolvi me matricular e frequentar o segundo ano do mestrado em psicanálise na Paris 8 e estudar Beckett. Mas quando o pedido da Paris 7 foi finalmente aceito, já estava apegada demais no mestrado na 8 e envolvida até o pescoço com o Beckett.
Como indecisão e apego são minhas palavras de ordem, comecei uma espécie de sofrimento mental, doloroso. Precisava decidir entre largar o mestrado em uma e fazer de vez o doutorado na outra, mas sabem como é, apeguei... e não larguei..
Como o tema do mestrado e do doutorado era sempre Beckett, resolvi continuar no mestrado na 8 e matricular-me no doutorado na 7.
Bom, a conclusão é que hoje, depois de um ano e quatro meses, defendi meu mestrado em psicanálise na Paris 8, sobre Beckett!!! E tive um delicioso "très bien" como menção e um segundo mestrado!!!
Agora, vou pro doutorado, enfrentar esse longo e solitário caminho. Sem Beckett pra me acompanhar, mas, em todo caso e agora mais do que antes, feliz!
video

sexta-feira, 25 de junho de 2010

:)

e viva o verão! finalmente, 26 graus, muito sol, piqueniques e passeios de bike!

terça-feira, 22 de junho de 2010

frio

Dia 21 de junho, início do verão, festa da música. E Paris os recebeu, o verão e a festa, com muito vento, céu cinzento e míseros 12 graus...

domingo, 20 de junho de 2010


Se é triste assistir aos jogos do Brasil longe da pátria amada, a alegria advém quando ouvimos os comentários dos narradores estrangeiros sobre o Brasil. Por aqui, somos chamados de Seleção, ou melhor, "seleçaó", no sotaque francês! O time brasileiro aqui tem nome próprio, é visto como diferente, superior em relação às outras seleções, mais apurado nas jogadas e com certeza o favorito dentre todas as outras! Os comentaristas franceses falam bem da "seleçaó" o tempo todo, não poupam elogios a quase todos os jogadores, vibram com as jogadas e acreditam demais que o kaká vai desabrochar ao longo da competição. Além disso, eles também se indignam diante das faltas maldosas cavadas pelos africanos da Costa do Marfim (gritando "c'est un scandale ça!!") e se divertem com os belos dribles de Elano e Robinho. Enfim, mesmo se ao marcarmos um gol não ouvimos o estridente gooooooooool tipicamente brasileiro, mas um tímido "but, allez seleçaó", assistir à copa do outro lado do atlântico tem sido uma experiência que tem nos dado um orgulho danado!

sábado, 19 de junho de 2010

sexta-feira, 18 de junho de 2010

e agora, josé?



Ela estava acostumada a ler romances de autores já mortos. Não que se tratasse de uma escolha consciente, mas seu interesse se voltava constantemente para aqueles livros que mais pareciam lições vindas de um antepassado muito sábio que um dia nos deixou como legado seus ensinamentos. Mas desde que havia lido um romance de um autor vivo, não sabia mais como se comportar. A admiração que nascia nela vinha da certeza de encontrar nele um certo virtuosismo da pluma, característica do autor morto. Ele a apresentava o verdadeiro trabalho de uma produção literária. A simplicidade com que ele tratava assuntos caros a ela não explicava, contudo, o mistério provocado nela por esse deslumbramento pelo vivo. Ele produzia cada vez mais, cada vez mais um, multiplicando nela os sonhos, mudando a proporção das coisas e inventando a cada velha história uma nova visão de mundo.

E então, de repente, ele não vive mais. A obra está acabada. Saramago ocupa de vez na cabeça dela o lugar do sábio.

;)




na polka galerie, na exposição do rodrigo albert

terça-feira, 15 de junho de 2010

brésil

Como a tv francesa só começa a transmissão dos jogos 1 segundo antes de rolar a bola, entretenho-me na preparação do menu da vitória: pão de queijo (massa de preparo por 4,4 euros 100g), guaraná antárctica (4,60 euros 1 litro) e cerveja chinesa Tsingtao (1,00 euro pelos 600ml).

domingo, 13 de junho de 2010

:)


Para todo mundo, surpresa
Para nós, certeza
Para os demais, loucura
Para eu e você, ternura

Para outros até, rancor
Para nós, o que é? Amor
Para o civil, casados
E para sempre namorados.
(de felipe para fabiana, 12 de junho de 2008)

sexta-feira, 11 de junho de 2010

en concert

Caetano Veloso e Mina Agossi dia 27 de junho, no La Défense Jazz Festival, 18:00h.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

copa!




Copa do mundo à vista e uma vontade louca de estar entre iguais. Por aqui, a imprensa é mais tímida: nada de cobertura completa, nada de avaliação do perfil tático-técnico de cada equipe, nada de entrevista emocionante com a família do jogador, nada de coração na boca na espera da estréia. Tudo bem que às vezes somos da opinião que o Brasil exagera. Afinal, muita gente nem trabalha em dias de jogo da seleção. Mas o certo é que a cobertura da copa por aqui me parece menos performática, menos espalhafatosa, menos dramática. Então, por mais que eu tenha xingado durante toda a minha existência a chatice do Galvão Bueno, hoje me traio e confesso: ô vontade de escutar um "vai que é sua Júlio César, estamos de volta em definitivo no estádio x, bem amigos da rede globo, sentindo cheiro de gol, acertou o Arnaldo" e outras pérolas. Infelizmente, a globo internacional não transmite os jogos da seleção e assistir pela internet é meio osso.

terça-feira, 8 de junho de 2010

o corre-corre

dias quentes. fim de semestre. correria. vento, muito vento. cerejas doces e sorvete de framboesa. copa do mundo longe de casa (a primeira). expectativa da defesa - em francês!
e vento, muito vento...