quarta-feira, 6 de outubro de 2010

ruídos ruínas

ouço a tua melodia
advinda de um violão
faltando cordas
e por ela sou tragada
.
.
com tuas vestes noturnas
me invades com conversas sem nexo
diálogos entrecortados
risos breves
.
.
diante do teu beijo
me faço tua
mais do que me faço agora
escrevendo o sentimento que não toca
.
.
ouço o acorde de teus gemidos
ensaiando uma melodia perversa
falamos outra língua
nosso cigarros tem marcas diferentes
.
.
diante do teu desejo
me faço nua
e para que você me possua
basta-lhe um pequeno gesto
.
.
o tempo, lento, baila
e eu aqui fico
querendo te ter em particular
longe de todo olhar
que não o teu

2 comentários:

nuestras estorias disse...

"longe de todo olhar
que não o teu"
babei!
isso é paixão!
bjos

Anônimo disse...

hum...adorei.